terça-feira, 12 de agosto de 2008

Poema 9

não perguntes quantas
desfilaram em mim:

mede-se o navegar
pelo avanço do barco
ou pelas ondas do mar?


Não perguntes, enfim
como escolhi dentre tantas
(aceita ser o marco-
zero, no meu coração.)


não sabes que o mistério
é sério como um arco
atirando sem direção?




( Por Alan Miranda)

Um comentário:

filipecouto disse...

esse poema é de uma inocência canalha formidável.
bela tessitura lingüística, rapaz!
abraço forte!