quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Poema 10

A vida é tão doce, amigo,
e eu aqui na contra-capa
no abrigo frio do escritório
em pleno Rio, eu de gravata

a cara gorda, a alma magra
sem meu grimório de partitura
que é a loucura de todo samba
que é a doçura de todo bamba

com a puta da coluna,
com o branco lá da boca,
vivo a vida tão cicuta,

penso a vida tão insana,
escura, negra, impura,
vazia, pra quem não ama.



( Por Alan Miranda)

Um comentário:

Layla disse...

eu só comento para mostrar que sua assídua nesta porra!
i love you